Quarta-feira, 12 de Agosto de 2020
 
Ex.: vendedor, balconista e etc.
 
Protejo Passo Fundo realiza visita no Lar Emiliano Lopes
Foto: Evidência RH / Diário da Manhã PF
Equipe do PROTEJO acompanha jovens em visitação ao Lar Emiliano Lopes, a visita à casa de acolhimento compreende uma das ações de cidadania do projeto. / FOTO: MARCELA BUZATTO

 

O PROTEJO consiste em uma das ações do Programa Nacional de Segurança Pública – PRONASCI, em parceria com o Governo Federal, através do Ministério da Justiça. A intenção é formar jovens cidadãos, com oportunidade de conhecer novas realidades.

Em Passo Fundo o programa iniciou seus trabalhos em novembro do ano passado e se estenderá até o dia 14 de outubro. O projeto já está no seu segundo ciclo, o qual objetiva aos jovens a experiência prática dos temas abordados no ciclo anterior. “A primeira parte do projeto foi mais teórica. Agora os jovens estão colocando em prática todo aprendizado obtido. É a contextualização do conhecimento que eles construíram durante o trabalho”, comenta a coordenadora pedagógica do PROTEJO, Gabriela Rotta de Camargo.

Na tarde de ontem, jovens participantes do projeto realizaram atividades no Lar Emiliano Lopes. A visita proporcionou à eles conhecer o funcionamento da instituição, bem como sua experiência no trabalho com as crianças e adolescentes acolhidos ali. A assistente social do Lar, Vera Lucia de Oliveira, acredita que “o fato de estarmos recebendo os jovens do PROTEJO consiste em uma troca. Uma troca de vivências de realidades, de experiências que possibilitarão a formação desses jovens e adolescentes. Temos que pensar na garantia dos seus direitos, na socialização e inclusão no mercado de trabalho”.

Decorridos 9 meses desde o início do programa, já é possível perceber mudanças no comportamento dos jovens atingidos. A assistente social, Laisa Souto, confirma que “20% dos adolescentes amparados pelo projeto voltaram para a escola, bem como também retornaram para o convívio com suas famílias”. Além de resultados como esses, espera-se, ao término do projeto, a reinserção dos jovens na sociedade, a permanência escolar da maioria dos envolvidos no programa, e a integração dos pais e responsáveis no desenvolvimento do processo educativo.

O PROTEJO atende em torno de 80 jovens e adolescentes, de 15 até 24 anos, que vivem em situação de vulnerabilidade social. As atividades desenvolvidas são acompanhadas por uma equipe formada por educadores sociais, psicólogos e assistentes sociais, que realizam visitas domiciliares, ações de acolhimento, encontros de formação e capacitação, entre outras.

O intuito é abordar o interesse dos jovens com a realização de atividades multidisciplinares. “O adolescente espera por alguma coisa nova, está sempre correndo atrás de diferentes oportunidades, e o PROTEJO veio para oportunizar novas chances”, relatou Laisa.

“A partir do projeto muita coisa mudou, o que eu não fazia antes comecei a fazer, o que eu não gostava passei a gostar. Eles nos apoiam dentro de casa e não nos abandonam”, ressaltou a estudante Yasmim Alves da Luz, participante do projeto. A jovem completou ainda dizendo que, “no projeto eles ensinam como devemos nos comportar, por exemplo, em uma entrevista de emprego. Isso vai ajudar bastante quando formos buscar um trabalho”. O PROTEJO pretende mudanças profundas na vida dos jovens e adolescentes que participam do programa. E essa mudança já começa a aparecer, como observa Yasmim: “Tudo o que eles me ensinaram eu vou levar para o resto da vida”.

Novas ações
Hoje, atividades serão realizadas na sede do PROTEJO. Os jovens receberão a visita de acadêmicas do curso de Enfermagem da UPF, que irão desenvolver um trabalho sobre higiene e prevenção de doenças.

A visita ao Lar Emiliano Lopes foi acompanhada pela equipe de reportagem do Diário da Manhã, confira a notícia no site:

http://www.diariodamanha.com/noticias.asp?a=view&id=37961

04/09/2012
Fonte: Evidência RH / Diário da Manhã PF